Da Itália para o Burundi

A crise das vocações religiosas e sacerdotais que atinge a Europa nas últimas décadas do último milênio leva também ao enxugamento dos Doutrinários: fecham-se as escolas de Varallo Sesia, Borgosesia, Sanremo e Vigevano, presença na Itália, fora da realidade das Edições Doutrinaires, enfoca o apostolado paroquial.
O Capítulo Geral de 1994 define o encerramento das Províncias Romana e Piemontesa e dá vida à única Província italiana, que também inclui a comunidade de Cavaillon-Cheval Blanc.
No dia 9 de julho de 1997, o Capítulo provincial italiano, sob a orientação do Pe. Luciano Mascarin, Superior piemontês, aprovou uma “Moção” sobre a missão ad gentes que diz: “O Capítulo é de opinião que a iniciativa missionária, desejada e apoiada por o último Capítulo Geral, supervisionado pessoalmente pelo Superior Geral, deve continuar ”.
Em 2006 começa a presença no Burundi, em Bujumbura. O Padre Luciano Mascarin, após doze anos de serviço como Superior Geral, durante os quais acompanhou pessoalmente os contactos com os bispos do Burundi e iniciou estas experiências missionárias, com grande generosidade, coloca-se à disposição, juntamente com o primeiro religioso burundês Venant Ntahonkirije, Nicolas Banikwa, Charles Bitariho e Joseph Mpitabavuma, para iniciar a presença dos Doutrinários no Burundi. Os Padres, além da casa de formação, acolhem a realização de atividades pastorais em um bairro de Bujumbura, Ruziba.
No Burundi, em Gitega, além da Casa do Noviciado e do Estudantado Teológico, os Padres se dedicam ao ministério sacerdotal e à pregação.