As origens da nossa história: do nascimento de César até 1597

La Congregazione dei Padri della Dottrina Cristiana(Das Constituições – Introdução e Primeira Pate – Introduzione e Parte Prima nn.1-6)

A Congregação dos Padres da Doutrina Cristã nasceu da obra do Padre César de Bus, “um homem de grande piedade, cheio de zelo pela palavra de Deus”. Nascido em 3 de fevereiro de 1544 em Cavaillon, França, após uma infância e adolescência exemplares, entre os dezoito e os trinta anos, enquanto buscava seu lugar na sociedade, primeiro como soldado e depois como homem da corte, César acaba perdendo o fervor primitivo. No entanto, Deus, usando dois leigos exemplares cristãos, Luigi Guyot e Antonietta Réveillade, conduziu-o gradualmente à conversão, que amadureceu no Ano Santo de 1575.
Com cerca de 38 anos, após completar os estudos, César foi ordenado sacerdote. Guiado pelo Espírito e tocado pela miséria material e espiritual de seu povo, causada pela guerra, fome e peste, ele opta por servir a Igreja local dedicando-se ao ministério da pregação e ao “exercício da doutrina cristã”.

O padre César, por um breve período, viveu em relativa solidão na ermida de São Tiago em Cavaillon, onde encontrou luz e força na meditação das Sagradas Escrituras e no estudo do Catecismo Romano. Assim, faz sua a oração do salmista “A tua palavra é lâmpada para os meus passos e luz para o meu caminho” (Sl 118,105). Esta experiência o confirma na intuição de que «não há maneira mais eficaz de reconduzir tantas ovelhas perdidas aos caminhos da salvação do que o exercício contínuo desta sagrada doutrina, pilar e fundamento sobre o qual assenta a Igreja».

O Concílio de Trento, a vida e as obras de figuras eminentes do seu tempo, exercem uma grande influência no seu caminho de santidade e na sua escolha catequética: São Filipe Neri com o seu Oratório; Santo Inácio de Loyola e a Companhia de Jesus, graças também ao diretor espiritual o padre jesuíta Pierre Pequet e, sobretudo, a São Carlos Borromeu, de quem o padre César, já no final da vida, afirmará: “Fiquei tão tocado e inflamado pelo desejo imitá-lo que não poderia encontrar paz antes de ter feito algo neste sentido ».

Em torno dele se formou um pequeno grupo de eclesiásticos, dez sacerdotes e um diácono, atraídos pela santidade de sua vida, pelo entusiasmo apostólico e pela forma de ensinar catequese. Em 29 de setembro de 1592, na Ilha sur la Sorgue, na Provença, eles se reuniram para encontrar a forma mais eficaz de fazer a Doutrina Cristã, traçar algumas regras de vida comum, pedir ao Bispo um lugar para viverem juntos. Assim nasceu a Congregação dos Padres da Doutrina Cristã.

As primeiras regras evidenciam a dupla finalidade do nosso Instituto: o exercício da doutrina cristã dirigida a todos, especialmente os pequenos e os pobres, e a da caridade, concretizada na vida comum. Essas regras também incluem o voto particular de obediência; somente após a morte do Fundador, para uma maior fidelidade dos membros, são introduzidos os votos públicos de castidade, pobreza, obediência e a promessa de estabilidade perpétua na Congregação.

A Congregação é aprovada por Clemente VIII, com a Breve Exposcit debitum de 23 de dezembro de 1597 que confirma a sua natureza e missão: instruir as crianças e os simples no anúncio da Palavra de Deus, a celebração dos Sacramentos, em particular da Eucaristia e da Reconciliação, o ensino do Credo, Mandamentos e preceitos da Igreja.

Mais tarde, a nossa Tradição fixará a herança espiritual e apostólica que nos foi deixada pelo Fundador no brasão da Congregação, formado por uma cruz adornada com os instrumentos da paixão do Senhor e as palavras “In doctrinis glorifiche Dominum” (Volgata Is 24,15).

Na esteira do Concílio de Trento, até o Vaticano II

A Congregação Doutrinária, nascida na esteira da renovação do Concílio de Trento, encontra a confirmação de sua vocação no espírito do Vaticano II. É reconhecido pela Igreja como um instituto clerical de vida apostólica de direito pontifício com o nome de Padres da Doutrina ou Doutrina Cristã (DC). Formada por padres e irmãos, ela pede a seus filhos uma profunda união com Cristo “caminho, verdade e vida” (Jo 14,8), a ser alcançada na fiel observância das Constituições.

O carisma do Fundador e dos primeiros confrades já está claramente destacado em uma das primeiras regras: «Que todos estejam bem arraigados na Doutrina Cristã e na Caridade; […] Toda a perfeição da nossa Congregação tem por base estas duas virtudes ”. Portanto, este é o carisma doutrinário: a vida fraterna em comunidade em vista do “exercício da Doutrina Cristã”, isto é, o anúncio da Palavra de Deus através de uma catequese acessível, compreensível e próxima da vida dos destinatários.

A Congregação é marcada por uma grande confiança na misericórdia de Deus; ele permanece em um estado de permanente conversão individual e comunitária; alimenta-se da contemplação do mistério da cruz em união com Maria; reconhece na prática da ascese um meio indispensável de santificação e missão; sabe encontrar na comunidade religiosa e na Igreja local as condições para atingir a sua plena maturidade «segundo a medida do dom de Cristo» (Ef 4,7).

O carisma doutrinário, enriquecido ao longo dos tempos pelo testemunho de ilustres confrades pela santidade e pela doutrina e, em alguns, pela graça do martírio, comporta um modo particular de santificação e apostolado. Encontra alimento e força na escuta da Palavra de Deus: na oração, na meditação e no estudo das Sagradas Escrituras, no conhecimento da Tradição e do Magistério e na atenção às necessidades da verdade e da vida contidas no coração das pessoas.

A atualidade do carisma da Congregação, evidenciada por numerosos documentos da Igreja sobre o primado da evangelização na missão, por um lado nos torna gratos perante o Senhor, por outro apela à alegre responsabilidade de um conhecimento cada vez mais profundo deste dom em vista. do seu desenvolvimento posterior.

O exercício da Doutrina Cristã nos séculos

Como afirmam as Constituições de 1667, “a finalidade da Congregação sempre foi e sempre deve ser a de cuidar constantemente da própria salvação e da dos outros, especialmente com o ensino da Doutrina Cristã segundo o Catecismo Romano”. O Caput Summum das Constituições no n. 1 especifica como deve ser este exercício da doutrina cristã: “O exercício do nosso ofício divide-se em três níveis, ou espécies de doutrina: pequena, média e grande doutrina. Este método não só nos foi transmitido e prescrito pelo Fundador, mas também aprovado e altamente recomendado pela Santa Sé ».

Ao longo dos séculos, de acordo com as necessidades dos tempos e dos lugares, mudaram as atividades que evidenciam o carisma da Congregação: das pequenas e ocasionais prédicas, às missões, às escolas … Tudo o que é necessário para que cada pessoa conheça Jesus Cristo e a Doutrina Cristã são usados pelos padres. Esta convicção entrou na tradição doutrinal, como demonstra o Caput Summum das Constituições: «No desenvolvimento dos discursos não se devem propor controvérsias, suscitar questões difíceis ou tocar em novidades doutrinais; em vez disso, há comparações frequentes, exemplos cuidadosamente escolhidos; ditos e fatos de escritores pagãos não são mencionados, exceto raramente e com a maior prudência, bem como fábulas e outras expressões profanas semelhantes; nenhuma citação é feita em grego ou hebraico, poucas em latim e nada que não seja imediatamente traduzido para o vernáculo e, se se tratar de Sagrada Escritura, aderir ao sentido estritamente literal. Não se deve usar um estilo florido, refinado e muito requintado, mas uma linguagem simples e familiar, sobretudo piedosa e capaz de despertar a devoção. No final, faça-se uma recapitulação por tópicos do que foi dito e em tudo deve ser seguido o método de ensino que o Fundador confiou com os seus escritos e com o seu exemplo e recomendou com as suas palavras ”. E ainda afirma: “A Congregação assumiu a tarefa de ensinar não só nas igrejas ou basílicas das cidades, mas também nas aldeias e capelas rurais, nas casas particulares, nos campos, nas fazendas ou nas aldeias, nos navios, nas prisões, hospitais, durante viagens e caminhadas, em visitas a doentes e amigos; enfim, em todos os lugares e em qualquer caso se deu a oportunidade de evangelizar ».

Aqui estão algumas áreas nas quais o exercício da doutrina cristã, ao longo dos séculos, se desenvolveu e encontrou confirmação por parte da autoridade competente.

A serviço da catequese através do Compendio da Doutrina Cristã, entre os anos 1600 a 1700

Seguindo o exemplo do padre César, que estava convicto de que o Catecismo ad parochos, pretendido pelo Concílio de Trento, era escrito para os sacerdotes e não diretamente para os fiéis, aos quais deveria ser adaptado, até os doutrinários baseavam sua atividade catequética estudando atentamente o Catecismo do Concílio de Trento e a forma de o propor “à medida”, mas sem perder a sua eficácia. É por isso que se inspiraram nas coisas e nos acontecimentos do dia para fazer as pessoas refletirem sobre como moldar e enriquecer suas vidas à luz da Palavra de Deus e do Seu amor. Aqui estão dois exemplos de doutrinários que escreveram Compêndios da Doutrina Cristã.

Em 1704 seu padre Boriglioni foi transferido para Roma, na pequena casa, com a igreja anexa de São Nicolas dos Coroados. Esta Casa também serviu desde 1659 como Casa do Gabinete do Procurador-Geral da Congregação e foi a única casa dos Doutrinários em Roma. Foi especialmente neste período que o padre Boriglioni escreveu o Compêndio da Doutrina Cristã. Sua estrutura é muito simples. A doutrina cristã é exposta em quatro partes: fé, esperança, caridade e religião. Tudo é apresentado na forma de pergunta e resposta. Esta obra teve 14 edições, com grande sucesso, em diferentes partes da Itália. Com este trabalho, o padre Boriglioni inseriu-se na tradição catequética da Congregação da Doutrina Cristã: simplicidade de exposição, abordagem ao povo simples, formulação de perguntas e respostas.

Entre as obras catequéticas que publicou o doutrinário do padre Sospello Ottavio Imberbi, lembramos o livro “A Doutrina Cristã segundo o método e a prática dos Padres Doutrinários de Avignon”. Foi impresso em Viterbo em 1710 e dedicado ao Cardeal Santacroce, bispo daquela cidade. Teve muitas edições em diferentes épocas e em diferentes cidades. Em 1862 houve a 23ª edição e em 1897 em Roma houve uma reimpressão com o título Compêndio da Doutrina Cristã. A primeira vez que esta “Doutrina” foi impressa foi homenageada com as sábias reflexões de São José Maria Tomasi, cardeal teatino e estava em uso em todas as escolas públicas dirigidas pelos Doutrinários.

A serviço da catequese através das missões popolares

O Capítulo Geral da Congregação de 1711 reconhece a experiência e o sucesso adquiridos pelo Padre Badou quanto à sua forma de realizar as missões doutrinais e a tarefa de traçar um plano de missões que possa ser utilizado por toda a Congregação para torná-las mais uniformes e úteis. missões ao serviço da Igreja e das pessoas a quem foram dirigidas. Em 1716, o Padre Badou publicou um livro de muito sucesso “Exercícios espirituais com um catecismo e canções para ajudar as pessoas aproveitarem as missões”. O livro é um manual para uso do Missionário; contém tudo o que precisa ser feito, há um conjunto de orações, canções, instruções para uso dos fiéis e, sobretudo, uma espécie de “Diário da Missão”. Seu livro é uma missão viva; no prefácio, o padre Badou afirma: “Eu o publico assim como o ensino”. Cada missão era composta por quatro ou cinco doutrinários, um dos quais era denominado “chefe da missão”. As Instruções tratavam essencialmente de dois objetos: a Penitência e a Eucaristia. Em 1823, a “Biografia de Toulousaine” apresentou o Padre Badou como o mais ilustre e santo dos Missionários de seu tempo.

A serviço da catequese nas escolas

Em 1706, em preparação para a entrada dos doutrinários em Civitavecchia, um memorial da Congregação foi entregue ao Cardeal Santacroce. Afirma que o propósito da Congregação é “estabelecer um colégio para a educação da juventude e a educação da Doutrina Cristã. O instituto consiste na educação de jovens nas faculdades, onde todas as ciências são ensinadas; na formação de eclesiásticos em seminários; em instruir e despertar o povo à piedade nas missões e no ensino da Doutrina Cristã para tudo e todos os tipos de pessoas com um método tão fácil, familiar e fecundo que é único em sua Congregação e com aquele feliz sucesso que o Senhor lhes dá Deus derramando bênçãos abundantes sobre ele. ”

Em 1854 o Padre Meloccaro, por ocasião da sua reeleição como Superior Geral, escreveu uma carta a todos os confrades enfocando a importância do exercício da Doutrina Cristã para cada doutrinário e afirma: “Nossas Constituições afirmam fortemente que se em nossos colégios e nossas escolas em correspondência com nossos compromissos assumidos devem florescer as ciências, a primeira e principal preocupação para outros dos Preceptores deve ser a religião e a moral. É por isso que eles sabiamente estabeleceram que as aulas e explicações do catecismo acontecem todos os dias em cada escola. ». E continuando na carta, referindo-se ao fato de que o Fundador deseja que sejamos um “catecismo vivo”, ele afirma que uma característica importante para todo doutrinário deve ser a simplicidade na fala. Desta forma, todos os ouvintes são alcançados, imitando o Fundador, cujo estilo era familiar e simples, “seus discursos bem relacionados, judiciosos e graciosamente pronunciados eram ouvidos com prazer e proveito não só pela plebe, mas também pelo povo aprendeu “. Padre Meloccaro continua dizendo que os doutrinários, além de orientar o povo de Deus com o ensino da Doutrina Cristã, devem exercer todos os ministérios inerentes ao estado sacerdotal, como pregar, ouvir confissões, dirigir seminários, paróquias, missões.

O ensino escolar não impede a Doutrina, pelo contrário, é uma oportunidade privilegiada para ela. Os colégios italianos continuaram a seguir a tradição importada pelos padres franceses: o tempo reservado para o ensino catequético é maior do que nos colégios de outros institutos; a disciplina mais indulgente; professores abertos, equilibrados e humanos.

A serviço da catequese nas paróquias e nas escolas de catecismo

Em 1725, a pastoral da paróquia de Santa Maria in Monticelli, em Roma, foi confiada à Congregação. É interessante notar que os doutrinários de Santa Maria, além de cuidar da paróquia, dirigem uma escola e ensinam catecismo na Basílica de São Pedro; de fato, todos os domingos cinco padres iam à Basílica para colocar seu carisma à disposição da população. Essa prática durou até cerca de 1900.

O trabalho no início de 1900 e o recomeço

Na primeira década de 1900, a Congregação dos Padres da Doutrina Cristã vivia um período tão difícil que induziu a Congregação para os Religiosos a enviar um Visitador Apostólico. Convocou toda a comunidade e disse que em nome do Cardeal Vives-j-Tuto, Prefeito dos Religiosos, entregou a direção da Congregação dos Padres da Doutrina Cristã a Dom Angelo Struffolini, ex-Secretário Geral dos Doutrinários, bispo de Ascoli Satriano, que, por isso renunciou à direção da diocese de Ascoli Satriano para voltar ao serviço de tempo integral da Congregação. Imediatamente começou a apresentar a lista do Conselho Geral e dos Superiores de todas as Casas, aprovada pelo Prefeito da Congregação para os Religiosos. O primeiro pensamento do novo Superior Geral foi aumentar a Casa de Formação e as Casas do Noviciado. Ele favoreceu a organização dos Padres para realizar “o exercício da Doutrina Cristã” em várias igrejas romanas. O Papa Bento XV, em audiência privada, quis saber de Monsenhor Struffolini como se desenvolvia seu trabalho a favor da Congregação e se alegrou com a iniciativa dos Catecismos e da nova Casa de formação. O Padre Geral também favoreceu a centralidade de Roma e da Casa de S. Maria in Monticelli, estabelecendo um Centro Catequético. Em acordo com o Vicariato de Roma, abriu as Escolas Catequéticas que funcionavam em São João de Latrão, São Sisto Velho, Quo Vadis e a Igreja do Crucifixo da Ponte Quattro Capi. O “renascimento” da Congregação teve como prioridade a formação e a catequese.

Superiores Generais da Congregação dos Padres Dotrinarios

• 1592-1607: B. Cesare de Bus, Fundador;
• 1607-1609: P. Antonio Sisoine;
• 1609-1616: P. Antonio Vigier;
• 1616-1647: Unione con i Somaschi;
• 1647-1653: P. Ercole Audifret;
• 1653-1657 : P. Baldovino De Breux;
• 1657-1666: P. Giovanni Astier (confirmado em 1663);
• 1666-1673: P. Francesco Aujas;
• 1673-1678: P. Vincenzo Giovanni Lemovix;
• 1678-1683: P. Carlo Gautherot;
• 1683-1688: P. Tommaso Chevalier;
• 1688-1689: P. Marco Antonio De Rojs;
• 1689-1694: P. Arnaldo Milhet;
• 1694-1700: P. Pietro Annat;
• 1700-1705: P. Bartolomeo L’Hopital;
• 1705-1711: P. Pietro Annat;
• 1711-1717: P. Francesco Bouilhade;
• 1717-1729: P. Giovanni Griffon (confirmado em 1723);
• 1729-1733: P. Stefano Chaussac;
• 1733-1737: P. Maturino Baccarere;

• 1737-1744: P. Antonio Jaume;
• 1744-1750: P. Francesco Mazenc;
• 1750-1762: P. Antonio Suret (confirmado em 1756);
• 1762-1764: P. Giovanni Reinald;
• 1764-1776: P. Luigi Chastent de Puissegur (cconfirmado em 1770);
• 1776-1794: P. Pietro Bonnefoux (confirmado em 1782 e 1788);
• 1794-1802: P. Felice Fasella;
• 1802-1808: P. Dionigi Blancardi;
• 1808-1814: P. Giuseppe Lissonio (confirmado em 1811);
• 1814-1818: P. Dionigi Blancardi;
• 1818-1824: P. Antonio Della Corte;
• 1824-1830: P. Carlo Vassia;
• 1830-1836: P. Michele Alberti;
• 1836-1842: P. Pietro Silvestro Glauda;
• 1842-1848: P. Pietro Paolo Meloccaro;
• 1848-1852: P. Francesco De Rosa;
• 1852-1866: P. Pietro Paolo Meloccaro (confirmado em 1860); 1866-1869: Visitatore Apostolico;

• 1869-1880 P. Andrea Torrielli;
• 1880-1887: P. Biagio Ferrara;
• 1887-1909: P. Tommaso Lanza (confirmado em 1892, nel 1898 e nel 1904);
• 1909-1912: P. Vincenzo Brugnoli;
• 1912-1916: Mons. Angelo Struffolini;
• 1916-1928: P. Giuseppe Giacobbe (confirmado em 1922);
• 1928-1934: P. Giuseppe Bajlon;
• 1934-1945: P. Giuseppe Rori (confirmado em 1940);
• 1945-1946: Vicario Generale P. Giovanni Del Pero;
• 1946-1958: P. Carlo Rista (confirmado em 1952);
• 1958-1964: P. Francesco Scrivano;
• 1964-1970: P. Ottorino Rolando;
• 1970-1976: P. Orlando Visconti;
• 1976-1988: P. Pasquale Amerio (confirmado em 1982);
• 1988-1994: P. Rinaldo Terzo Gasparotto;
• 1994-2006: P. Luciano Mascarin (confirmado em 2000);
• 2006-2018: P. Giovanni Mario Redaelli (confirmado em 2012);
• 2018- P. Sergio La Pegna