A espiritualidade do fundador

César De BusCésar De Bus , partindo da sua experiência, encontra cinco pilares sobre os quais construir a sua relação com o Senhor: o amor à Sagrada Escritura, a Adoração Eucarística, a devoção a Maria, a invocação dos Anjos e dos Santos e o acompanhamento espiritual.

Sagrada Escritura
César se alimentou da Sagrada Escritura, fez dela o objeto de sua meditação e contemplação. Em todas as obras atribuídas a ele encontramos muitas citações bíblicas. Para ele, “ouvir a Palavra” significa compreendê-la, amá-la, crer no que ela anuncia e colocá-la em prática; nela encontramos a força e a coragem para viver a peregrinação terrena. A Palavra de Deus interroga primeiro quem a proclama, para que dela também tire frutos para o seu próprio crescimento espiritual. O Breve de Beatificação de Paulo VI afirma: «O ministério da palavra, ou seja, toda a instituição cristã se nutre dela, saudando-me e progredindo santamente com a Sagrada Escritura (DV 24). Esta afirmação do Concílio Vaticano II explica admiravelmente o zelo e o método apostólico do Servo de Deus César de Bus e fundador da Congregação dos Sacerdotes da Doutrina Cristã, que alimentava a mente com um alimento diário da Bíblia Sagrada ”.

Adoração Eucarística
César manteve uma grande devoção ao Santíssimo Sacramento. Ele afirmou que prefere sofrer a perda do que é mais caro a ele do que pular a Adoração uma única vez. O seu amor pela Eucaristia, o Padre Cesare também o manifesta na Adoração. No início de seu ministério sacerdotal, retirou-se por cerca de dois anos em uma pequena ermida dedicada a São Tiago, em uma colina com vista para Cavaillon. Aqui, com as próprias mãos, ele abre uma pequena janela através da qual, de seu quarto, ele pode contemplar, mesmo estando em seu quarto, o Santíssimo Sacramento no Tabernáculo.

Devoção a Maria
César em sua autobiografia afirma que recebeu esta devoção do Senhor desde menino, em particular para com a Virgem Imaculada. Maria, nos escritos de De Bus, é vista como a Mãe da Misericórdia, que intercede por nós peregrinos na terra e continuamente necessitada do perdão de Deus e como a Mãe que, aos pés da Cruz, sofreu mais do que qualquer mártir por participando da Paixão de seu Filho amado. Em particular, Maria é venerada por ele com a recitação do Rosário.

A invocação dos anjos e santos
César também tem uma grande reverência por anjos e santos. Ele queria colocar todas as horas do dia sob a proteção de um santo e o invocava com várias exclamações. Ser catequista e anunciador da Palavra de Deus é visto por César como um anjo de luz. A Doutrina Cristã é a luz que ilumina todos os homens e lhes dá alegria, serenidade e esperança. Ao proclamar a Doutrina, os catequistas tornam-se mensageiros desta luz que se difunde com a palavra e com o testemunho de vida. No seu testamento espiritual, aconselha a amizade de um santo: «Escolha um santo entre todos, imite-o e leia frequentemente a sua vida. Ore a ele todos os dias para comunicar seu espírito e santidade a você. Procure ser seu devoto e seguir com coragem os seus santos passos, para que como ele tenha o mesmo desejo de ir para o céu ».

Acompanhamento espiritual
No caminho da sequela Christi, o Padre César deixou-se guiar por outras pessoas, mostrando-lhes os seus sentimentos, as suas dificuldades e as suas alegrias. Os dois primeiros guias espirituais são dois leigos: Antonietta Reveillade, uma mulher simples e analfabeta e Luigi Guyot, sacristão da Catedral de Cavaillon. Mais tarde foi dirigido ao padre jesuíta Pequet, com quem faz os exercícios espirituais. O padre jesuíta acompanhou-o também no recomeço dos estudos, decidindo dar-lhe ele próprio uma lição da seguinte forma: César, tendo terminado a meditação matinal, escreveu em francês os sentimentos, inspirações e luzes interiores que Deus lhe tinha comunicado; Ele então traduziu o que havia escrito do francês para o latim e entregou-o ao seu confessor. Assim, obteve dois resultados: corrigir eventuais erros na composição e conhecer os avanços da vida espiritual.

De Bus, catequista inovador

O empenho catequético de Cesare de Bus em favor dos “pequenos” (no sentido evangélico) foi marcado por um novo método pedagógico no qual ele envolveu progressivamente sacerdotes e leigos, com a intenção de “fazer catecismo juntos“, na unidade de método e de espírito.

A metodologia, inovadora para a época, e os meios por ele imaginados tornavam suas catequeses atraentes e fáceis de entender. Ele utilizou ferramentas simples e eficazes como tablets com cenas evangélicas pintadas por ele mesmo, pré-visualização de audiovisuais, canções e poemas.

Com uma linguagem simples, imediata e familiar, ele usou a Palavra de Deus abundantemente, aplicou e relacionando com conceitos e situações concretas. Por meio da catequese, propôs induzir seus ouvintes a serem “bons cristãos”, não só em palavras, mas em comportamento, conduzindo-os, por meio da conversão sincera, a Jesus. César, ciente de que o “Catecismo dos Párocos”, pretendido pelo Concílio de Trento, era um instrumento acessível apenas aos sacerdotes, esforçou-se por adaptá-lo aos fiéis:

  • estudar atentamente como “propô-la de maneira compreensível para as pessoas, sem esvaziá-la de sua eficácia, profundamente convencidos de que a catequese é para a vida dos destinatários;
  • a partir das “notícias” quotidianas, para ajudar a reflectir sobre como moldar e orientar a existência à luz da Palavra de Deus e do seu amor;
  • apresentando de forma gradual os fundamentos da doutrina cristã.

Ele imaginou um modelo apoiado em dois pilares:

  • Pequena Doutrina, dirigida a quem ignorava totalmente as verdades da fé (crianças e analfabetos), ensinando-lhes a oração, começando pelo sinal da cruz, os mandamentos e os sacramentos, através do diálogo e da memorização.
  • Grande Doutrina, feita do púlpito aos domingos e solenidades. Foi uma explicação ampla e muito simples do Credo dos Apóstolos, do Pai Nosso, dos Mandamentos, dos Preceitos da Igreja e dos Sacramentos.
  • A Tradição doutrinária acrescentou mais tarde a Doutrina do Meio, uma forma intermediária entre as duas implementadas pelo Bem-aventurado Fundador. Foi feito com uma linguagem concreta e de acordo com a realidade, com abundantes referências à Sagrada Escritura e aos escritos dos Padres da Igreja, com atenção para evitar longos monólogos. O método de perguntas e respostas também foi utilizado para o envolvimento dos presentes, sintetizando tudo com um exemplo concreto relacionado com o tema.

Não há dúvida de que estamos diante de um programa de catequese “clássico”, como previsto pelo Concílio de Trento. A originalidade de de Bus foi tornar a exposição viva e envolvente através do diálogo, intervenções livres e até representações sagradas. Não deixou de doar livros, rosários feitos por ele, pequenas cruzes e imagens sacras para despertar empenho e interesse. Embora criticado e combatido por eclesiásticos próximos a ele, César cumpriu seu compromisso com o catecismo com dedicação; parecia estar a “fazer doutrina” e, em vez disso, colaborava para “construir” comunidades cristãs autênticas, alimentadas com o pão da Palavra, que a Igreja dá a todas as gerações.

Paulo VI resumiu bem na homilia durante a beatificação do Padre Cesare em 27 de abril de 1975, quando disse que é necessário:

“Promover uma catequese acessível, compreensível e orientada para a vida” e
“Acompanha a criança ou o adulto na sua lenta busca por Deus”.

Padre Cesare e seu método de catequese

O Padre César De Bus organiza o exercício da Doutrina Cristã em dois ciclos: a pequena doutrina, dirigida aos que nada sabiam, especialmente as crianças e os ignorantes, que aprenderam a oração, o sinal da Cruz, os mandamentos e os sacramentos através do diálogo e da memória ; e a grande doutrina, que embora mantendo a concretude da linguagem, era feita do púlpito aos domingos e festas solenes e consiste numa explicação ampla e muito fácil do Símbolo dos Apóstolos, do Pai Nosso, dos Mandamentos, dos Preceitos do Igreja e os sacramentos. Sem dúvida, é um programa clássico de catequese, como previsto pelo Concílio de Trento. Padre César, no entanto, torna a exposição viva e atraente por meio do diálogo, da discussão livre ou de representações sagradas. A tradição doutrinal tem se caracterizado, na linha do Padre Cesare, pela busca de uma catequese viva e “inventiva”, imediata, comunicada com palavras simples, algumas fórmulas práticas e fáceis de lembrar. Marcel, o primeiro biógrafo de De Bus, afirma que sua forma de anunciar a Palavra era muito simples e, portanto, ao alcance de todos. Evitou, como se fossem pedras perigosas, buscou termos, além de tópicos inúteis e curiosos, embora agradáveis de ouvir. A sua catequese foi bem estruturada, equilibrada, apresentada com graça e fervor de maneira que não só as pessoas simples, mas também as educadas, tivessem satisfação e proveito. Sua intenção não é tornar seus ouvintes instruídos, mas crentes. Em torno desse esquema, afirmou Paulo VI, está se formando uma pregação impregnada da Sagrada Escritura, apresentada de modo que as noções aprendidas se traduzam em uma atitude espiritual e em um modo de agir. A experiência catequética original do Padre César e os Doutrinários é confiada a uma rica coleção de catequese (para uso do catequista), dividida em 4 ou 5 partes (de acordo com a primeira e terceira edições de 1666 e 1685), reunidas sob o título Instruções familières. Os seguintes recursos de estrutura e estilo são encontrados neles:

  • Adotou aopção da classica divisão (com sucessão alterada) da doutrina cristã no símbolo, mandamentos, oração dominical, pecados mortais, sacramentos;
  • divisão em “lições”, ou em tópicos de acordo com sua inserção lógica: os artigos de fé, os preceitos de Deus e da Igreja, as questões do Pater, os sete pecados capitais, os sete sacramentos;
  • subdivisão posterior das “lições” únicas em duas, três ou quatro unidades didáticas;
  • enriquecimento de uma “aula” sistemática com uma introdução, um exemplo prático final e a repetição da matéria aprendida, também pretendida como momento preliminar do encontro catequético ou posterior aula de ensino;
  • utilização extremamente flexível da técnica de perguntas e respostas, não predeterminada por um livrete de doutrina ou por um interrogatório e não confluente com a memorização, mas com a assimilação consensual e vital;
  • adoção de uma linguagem simples e familiar, fervorosa e afetuosa, com a contínua evocação de exemplos e frases escriturísticas e patrísticas;
  • fusão de “teoria”, devoção e empenho prático.

As Instruções familières podem ser consideradas uma teologia catequética, entendida como uma teologia elementar e viva para os catequistas e um manual vivido e estimulante de metodologia catequética, impregnado de espiritualidade e rico em ideias pedagógicas e didáticas.